Em loja de discos italiana, Eli Iwasa toca set alternativo em vinil; assista!

Veterano do techno de volta ao Brasil: saiba mais sobre Paco Osuna
30 de maio de 2019

Brasileira recebeu convite para tocar na famosa Serendeepity, em Milão

O que um DJ mais gosta de fazer na Europa? Comprar discos, claro! Foi em uma dessas programações musicalmente turísticas, em Milão, na Itália, que a diva brasileira do techno Eli Iwasa recebeu um convite para tocar na loja Serendeepity, na tarde de quarta-feira.

Fundada por Nicola Mazzetti em 2009, exímio pesquisador musical que inclusive já tocou no Brasil, a Serendeepity ficou muito conhecida na Europa pela sua curadoria diversificada, com raridades musicais vindas de todos os continentes. Nessa loja, que regularmente apresenta sets em suas dependências, já tocaram artistas como Ellen AllienTom Trago e Kornel Korvács.

Uma curiosidade sobre esse encontro é que o convite não necessariamente aconteceu porque Nicola conhecia a Eli, e sim após a paulistana chegar no caixa da loja e chamar sua atenção. “Ele gostou dos discos que escolhi e falou: ‘muito legal o que você escolheu comprar, você não quer vir aqui fazer um set?’”, conta a DJ à Phouse.

LEIA TAMBÉM:

No dia seguinte, ela estava lá para participar do jogo tradicional da Serendeepity: escolher os vinis da loja e tocar na hora. “É desafiador, mas muito divertido escolher músicas as quais nem todas você conhece e fazer com que elas façam sentido no set e combinem, mesmo com diferenças no BPM”, lembra Eli.  

Pela riqueza de repertório que a Serendeepity possui, Eli preferiu abster-se do seu som usual de techno e house. “Não dava para ser um set normal, pois a loja tem muita coisa boa desconhecida. Eles têm uma seleção gigantesca de músicas ‘obscuras’ de muitos países, é muito foda”, acrescenta.

Sua seleção foi do electro ao experimental, do dark wave ao synthpop, envolvendo nomes como CyrnaiDecadenceSilent ServantIvan SmaggheGolden Filter, um disco falado da Lydia Lunch e uma faixa da compilação Alternative Funk, do selo alemão Platform 23. Há ainda músicas de produtores tailandeses, coreanos, japoneses e diversas outras nacionalidades variadas.

O set foi transmitido ao vivo na página da Serendeepity e você pode conferir logo abaixo: 

Rodrigo Airaf é colaborador eventual da Phouse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: