Prorrogação do auxílio emergencial: mais inflação e menos crescimento

Medicina à deriva
7 de outubro de 2021
Grãos caem no exterior, mas dólar inibe queda no país
7 de outubro de 2021
São vários os fatores que tornam bastante provável a prorrogação do auxílio emergencial, fora do teto de gastos, para além deste ano: alta inflação pesando na renda dos mais pobres e na popularidade do presidente, a inépcia política do governo em buscar uma solução para os precatórios ?e abrir espaço para a reformulação do Bolsa Família respeitando o teto de gastos?, o atraso na aprovação do imposto sobre dividendos, que seria a fonte de financiamento desse programa, e o desejo de incorporar ao auxílio novas despesas, como o vale-gás, fora do teto.
Leia mais (10/06/2021 – 22h10)

Os comentários estão encerrados.