Conectado por
Rondônia, terça, 23 de abril de 2024.

Sem categoria

Fronteiras na ciência só perturbam

Compartilhe:
Acabo de visitar a Universidade do Texas em El Paso, na fronteira com a cidade de Juárez, no México. A UTEP tem por missão servir às minorias da região, que se tornam maiorias em suas salas de aula: no curso de mapeamento cerebral que meu anfitrião estadunidense, mas nascido paquistanês, Arshad Khan, organiza há anos, 70% dos alunos são hispânicos, e 80% são mulheres (por quê? Pressão sobre os rapazes para trabalhar assim que saem da escola? Ou será que ciência agora virou “coisa de mulher”?). A maioria dos hispânicos são cidadãos mexicanos que residem em El Paso com visto de estudante, mas uma minoria mora em Juárez e atravessa a fronteira todos os dias, duas vezes por dia. Quando não há fila, são vinte minutos a pé na ponte; quando há, são até duas horas. Migrantes têm garra.
Leia mais (04/01/2024 – 16h22)
Publicidade INSTALE O APP DA DJ90.COM.BR